Sempre e bom relembrar quais as fases do trabalho de parto.

O trabalho de parto começa quando existem contrações uterinas regulares que causam dilatação e esvaecimento progressivos do colo uterino e a descida do feto pelo trajeto do canal do parto.
Muito provavelmente quem dá o start para o início do trabalho de parto é o feto, que libera substâncias para o organismo materno sinalizando que está pronto para o nascimento!

O trabalho de parto pode ser dividido em 3 estágios: 
– Primeiro Estágio (engloba as fases latente e ativa do trabalho de parto)
– Segundo Estágio (período que vai da dilatação total até o nascimento)
– Terceiro Estágio (período de tempo entre o nascimento e a dequitação placentária)

A FASE LATENTE: começa quando a mulher passa a perceber contrações uterinas regulares. E estas contrações começam gradualmente a provocarem mudanças no colo uterino como o seu esvaecimento e dilatação. Segundo Zhang e colaboradores as mulheres têm diferentes velocidades de dilatação do colo uterino na fase latente e na fase ativa. E a velocidade de dilatação do colo uterino fica mais rápida quando a mulher atinge uma dilatação maior ou igual a 6cm. Portanto a fase latente termina quando a mulher atinge uma dilatação do colo uterino maior ou igual a 6cm

A FASE ATIVA: vai dos 6cm de dilatação até a dilatação completa do colo uterino. Segundo Zhang, com dilatação maior ou igual a 6cm quase todas as mulheres estão em trabalho de parto ativo e a velocidade de dilatação neste período gira em torno de 1-2 cm por hora.

Ao meu ver a fase de latência pode ser emocionalmente e fisicamente exaustiva para a mulher pois vivemos num mundo onde tudo tem que ser para ontem e onde a dor é algo proibido e, por isto, na fase de latência a mulher precisa de:
A) ambiente calmo
B) apoio emocional
C) amparo
D) descanso, hidratação
E) informação e preparo
F) métodos não farmacológicos de alívio da dor

E claro, todo este suporte, deve ser continuo durante todas as outras etapas do trabalho de parto pois é demonstrado que este suporte reduz a necessidade de analgesia, reduz a necessidade de um parto vaginal instrumental, reduz a necessidade de cesariana, favorece uma experiência positiva com relação ao trabalho de parto entre outros benefícios.

Por estas e outras razões é sempre importante discutir com a parteira ou o parteiro sobre o trabalho de parto e como se preparar para quando a grande hora chegar!

Autor: Dr Paulo Noronha