Nada provoca tantas mudanças no corpo em tão pouco tempo quanto uma gravidez. Os seios ficam maiores, a barriga mais que triplica de tamanho, a pele fica brilhante, os cabelos volumosos… São tantas transformações que o organismo só volta ao normal em torno de dois anos depois de o bebê nascer.

A pele, durante este período também sofre várias alterações, na maioria das vezes, fisiológicas, mas mesmo assim, podem ser motivo de angústia para muitas gestantes. Estas alterações podem permanecer após o parto ou desaparecer com o tempo.

Irei abordar as principais afecções que preocupam as gestantes e orientar formas bem simples e práticas de preveni-las.

Durante este período podem aparecer:

Manchas na pele, muito comuns, de forma e localizações variáveis, provavelmente devido à elevação de alguns hormônios. Pode ocorrer como uma máscara pigmentar facial, chamada Melasma, ou como distúrbios de pigmentação em áreas como face interna da coxa, axilar, aréola mamaria, períneo e mais comumente na linha média abdominal chamada de linha nigra.
Após o nascimento do bebê estas manchas tendem a desaparecer, contudo, em alguns casos isto não ocorre e são muito difíceis de serem tratadas.

Por isto, oriento cuidados especiais a exposição solar. Esta deverá ser feita com o uso de protetores solares físicos e químicos diários com fator de proteção em torno de 30.

Aumento da acne pode ocorrer, apesar de ser imprevisível, algumas mulheres que já tinham espinhas antes de engravidarem, melhoram suas lesões e outras mulheres podem apresentar acne pela primeira vez durante a gestação.
Deve-se, evitar maquiagem; lavar a pele com sabão neutro ou suave 2 vezes por dia; aplicar um hidratante sem óleo e não comedogênico em pequena quantidade no rosto, de preferência que já contenha fator de proteção solar.

Em caso de uma acne mais severa é interessante procurar um dermatologista, pois, muitas vezes é necessário tratar para evitar cicatrizes permanentes e poucas são as medicações autorizadas nesta fase.

Sugestão de máscara caseira:

  • 01 colher de sopa de argila da Amazônia
  • 02 colheres de água perfumada de Lavanda
  • 01 gota de óleo essencial de Tea Tree

Aplicar a máscara uma vez por semana.

Estrias, que acometem entre 70 a 90% das grávidas, especialmente a partir da 24ª semana de gravidez. Ocorrem principalmente devido à distensão da pele e ruptura das fibras elásticas; uma vez formada é difícil removê-la; portanto, o melhor é a prevenção. Indicam-se massagens suaves, diárias, para aumentar a elastici­dade da pele (duas vezes ao dia) com óleos vegetais e essenciais, princi­palmente no abdome. Outra forma de uso durante a gravidez é fazer um óleo de massa­gem e usá-lo diariamente para massagear o abdome. Pode-se usar óleo de mandarina ou jasmim.

Sugestão de fórmulas:

  • Óleo vegetal de germe de trigo (50rnl) + óleo essencial de lavanda (20 gotas) + óleo essencial de néroli (5 gotas).
  • Óleo vegetal de semente de uva (30ml) + óleo essencial de mandarina ou jasmim (5 gotas).
  • Óleo vegetal de jojoba (15ml) + óleo vegetal de semente de uva (15ml) + óleo vegetal de germe de trigo (10ml) + óleo essencial de lavanda (cinco gotas).

Massagens diárias usando as fórmulas indicadas podem ajudar a manter a pele macia e flexível. É importante também o uso de roupas firmes e confortáveis e o ganho de peso adequado, sem excessos.

Uma vez por semana, pode-se realizar uma esfoliação: pegue uma colher de sopa de açúcar, sal ou algas e acrescente 3 colheres de óleo vegetal de amêndoas ou girassol. Passe a mistura por todo o corpo, massageando de baixo para cima com movimentos circulares. Depois, é só enxaguar o corpo.

A esfoliação ativa a circulação, promove uma hiperemia na pele e ativa a produção de colágeno e elastina. Nos demais dias da semana, a hidratação precisa ser reforçada e os óleos vegetais continuam sendo fortes aliados, assim como cremes neutros.

Neste processo de esfoliação e hidratação, são necessários dois cuidados: o primeiro deles é não hidratar o bico dos seios. Eles precisam estar mais resistentes para suportar a amamentação. O mais recomendado é passar, diariamente, uma toalha em todo o bico. O segundo é não se esquecer dos calcanhares: é muito comum que eles fiquem mais secos ou venham a rachar em decorrência das alterações hormonais.

Telangiectasias e varicosidades, distúrbios vasculares que surgem devido aos elevados níveis de hormônios estrogênicos na circulação materna e com o aumento uterino, a circulação do sangue nas pernas é prejudicada, causando varizes nas mulheres com predisposição.
Óleos essenciais indicados: lemongrass, lavanda, gerânio, aplicados suavemente nas pernas para ajudar na prevenção de varizes.

Sugestão de fórmula:

  • Óleo vegetal de germe de trigo (duas colheres de sopa) + óleo essencial de cipreste ou lemongrass ou lavanda (duas gotas).
  • Óleo vegetal de germe de trigo (1 colher de sopa) + óleo essencial de gerânio (4 gotas).

Massagear levemente as pernas sem muita pressão, em movimen­tos de baixo para cima.

Importante também o uso de meias elásticas, e a realização de atividades físicas autorizadas pelo seu médico.

Celulite, principalmente em mulheres que já possuem uma predisposição, com todas as alterações hormonais que a gestante é submetida, tem mais chances de aparecimento ou agravamento do problema.
Óleos essenciais indicados: gerânio, laranja, limão, lemongrass.

Os óleos podem ser usados em massagens em movimentos circulares, fazendo leve pressão com as pontas dos dedos na região dos quadris e coxas.

Sugestão de fórmula:

  • Óleo vegetal de semente de uva (2 colheres de sopa) + óleo essencial de lemongrass (2 gotas).

Sempre importante o controle do ganho de peso e atividade física, se     possível.

Queda de cabelos após o parto, chamado eflúvio telógeno, ocorre porque de forma fisiológica, durante a gravidez, é comum ocorrer um crescimento mais intenso dos cabelos, devido ao prolongamento da fase de crescimento dos mesmos (anágena) que caem após o nascimento do bebe. Muitas vezes, não há necessidade de tratamento, pois os fios voltarão a crescer posteriormente, inicialmente mais finos e deverão voltar ao normal.
Importante uma alimentação equilibrada. E em casos, de grande queda de cabelo e ou demora em melhora procurar o Dermatologista.